Pular para o conteúdo principal

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas.
Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim.
Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela.
Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela.
E ela seguia...
Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem.
E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente.
Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa!
Roupa 1, não
Roupa 2, nem pensar
Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão.
Parte para a maquiagem.
Processo chato, processo demorado.
Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de seu rosto sabia o que compunha aquilo ali.
Mas o fiel companheiro não a deixava por nada
Ou ela não o deixava?
Era meio que uma união, sabe?! Amor à primeira vista, ao primeiro contato, ao primeiro feitiço...
Continuava.
Lápis, blush
E não ensaiava grandes extravagâncias.
Gostava do mais natural possível
E talvez o seu companheiro também, pois assim ele poderia se sobressair para fazê-la sobressair.
Check!
E eis que chega o gran finale...
Toma-o em suas mãos e passa-o lentamente por seus lábios. Era seu ritual favorito.
Como viver sem aquele batom vermelho que a acompanha desde os 15 anos?
“mas você é tão jovem, não precisa de um batom tão forte assim”
Talvez esse companheiro de tempos desvende meio que misteriosamente o que ela é naturalmente por dentro: forte!
Forte e difícil.
Forte e difícil e inesquecível.
Já viu alguém beijar lábios de batom vermelho e esquecer?
Já viu alguém beijar lábios de batom vermelho e esquecer e não querer se lambuzar mais e mais e mais?
Seguiu...
Alguns são dignos, outros nem tanto.
Por mais que borrem, a correção e o retoque sempre vem para mostrá-la que, apesar de, forte ela sempre será! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.