Pular para o conteúdo principal

A Mochila

Já parou para pensar quanta coisa cabe em uma mochila?
Sonhos, papéis, sua casa, sua vida, seus estudos, livros, gostos, amores, papéis sem utilidade, memórias...
De todo os tipos de bolsa, a que mais me atrai é a mochila. Em todos os seus formatos, cores, modos, divisões e tudo o que se mistura lá dentro e como se mistura, embora você já tenha separado tudo para mantê-la organizada. Você divide o peso nos seus ombros, ao invés de sobrecarregar apenas um e caminha tranquilamente, como se ali estivesse tudo o que mais precisasse. Divisões de bolso, não de importância, muito menos de sonhos.
Quando queremos nos referir a viajar pelo mundo, a quem nos referimos como grande parceira? Nossa mochila. “Vamos fazer um mochilão, amigos!” ou “Sou mochileira(o)!” e soa tão bonito, tão aventureiro, tão grande...
Ah! Quantas coisas cabem em tão pouco espaço... Contradiz todas as leis da física e só sabe quem carrega “a casa” na mochila. Garantia de um dia tranquilo e confortável, pois, oras, fazer de nossa mochila nossa casa é questão de conforto e tranquilidade. Trazer ali tudo o que se precisa para garantir um dia ameno e sem preocupações.
Quando se quer descansar de um dia pesado e encontrar um encosto para sua cabeça dentro do ônibus a caminho de casa, quem está lá oferecendo colo? A mochila. Encosta a cabeça, pensa e repensa, são tantos sonhos e tantas coisas, tantos passos para caminhar... o caminho é longo e a vida não pode parar.
Há pessoas que acham que ter muito é o que faz da vida mais feliz e completa, faço o favor de discordar e mostrar que não é bem assim. Há outras que preferem acreditar que um dia de cada vez é o mais importante e que, de passo em passo, chegamos mais longe, mais vitorioso e mais completo. É orgulho dizer que a espera é longa, mas, ao final, compensará tudo, sempre. E quem estará lá para te lembrar dos tantos sonhos guardados e carregados? Sua mochila.
Companheiros, amigos, colegas e todos com sua devida importância em nossas vidas, se algum dia quebrei teu galho é porque a minha companheira-mor estava lá para me lembrar de tudo o que eu tinha e tudo o que eu sou.
Não tem como mensurar, calcular ou até mesmo decifrar a importância que a mochila tem e tudo o que ela carrega. Não sei se ela me carrega ou se eu a carrego, mas é sempre maravilhoso tê-la por perto.
Com todos os meus sonhos e possibilidades mil que carrego dia após dia, passo a passo, conquistaremos ambientes jamais conquistados antes. Carregar mochila é carregar sonhos e a certeza de que você pertence a algo, alguém, algum lugar, só basta se encontrar.

Ela sempre está aqui quando preciso lembrar quem eu sou (novamente). 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…