Pular para o conteúdo principal

Acerca do Amor

O amor é um tiro no escuro. O amor é um tiro no escuro de venda nos olhos.
O amor é um jogo de antítese para Camões, desafia os filósofos e põe em xeque-mate aqueles que acham que a vida é um jogo no qual alguém sai vencedor sempre, sem importar a situação. Enganam-se esses. A vida é feita de ganhar e perder e o amor desafia todas as lógicas possíveis.
O amor desafia a química, a física quando a mesma diz que dois corpos não ocupam o mesmo espaço. Ts, só sabe disso quem já dividiu cama de solteiro por um longo tempo. Desafia as línguas, pois o amor é uma língua tão universal que não há língua que venha explicá-lo de maneira correta. 
O amor é imperfeito dentro de suas perfeições. O amor é imperfeito dentro de suas perfeições em não tentar ser perfeito. Ele apenas é.
O amor, em todas as suas origens, é desafio.
O amor alimenta-se de coisas boas. Mas se fortalece nos maus momentos. 
O amor é egoísta. O amor é egoísta quando junta duas pessoas em uma só causa, a sua causa de amor.
O amor grita por deixarmos de lado as teorias acerca do que é o amor, de tentar reduzi-lo a palavras bonitas, a textos teóricos, a significados do dicionário, a vícios, a vida, a Deus...
O amor grita por ser sentido em cada vão momento, como diria Vinícius em mais um de seus sonetos tentando eternizar o amor no seu maior amor: escrever. 
O amor é isso, é aquilo, e coisa e tal e tal e coisa, Rita Lee.
Mas o amor é muito mais do que poderiam dizer, do que poderiam explicar, do que poderiam teorizar.
Ele vive aí, em você, em mim, em nós...
Nos sorrisos, nos prantos, no peito rasgado, no braço levantando, nos abraços dados, não dados...
O amor é tudo isso e mais um pouco que acontece quando não prevemos acontecer.
O amor é

Simplesmente. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.