Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2014

Acerca da Saudade

E se eu falar sobre a saudade, qual tom teria? E se eu falar sobre a saudade com fundo musical, qual cor seria? E se eu falar sobre a saudade ao pensar nos teus olhos, o quão distante isso seria? E se eu falar sobre a saudade sem pensar no acaso, o quão real isso seria? E se eu falar sobre a saudade sem me questionar Será que Aí então Eu fugiria. Fugiria para perto de tudo aquilo que me faz Ter saudade De tudo o que Tenho Saudades !
você.

Divagações

O que fazes, mulher, quando deitas nas noites de um verão qualquer? 
O que pensas, mulher, quando derramas sob meu peito teus gritos sem eco e tuas palavras sem som? 
Que pensas quando não pensas
Que pensar já é algo tão além das nossas forças
Enquanto misturo desejo e mistério
Junto de ti.
Deitar-me-ei
E junto do teu corpoema
Descansarei de mais um dia
Docediamargo
Ao tentar desvendar cada gesto em teu olhar misterioso-ingênuo
(Em vão).

A Mochila

Já parou para pensar quanta coisa cabe em uma mochila? Sonhos, papéis, sua casa, sua vida, seus estudos, livros, gostos, amores, papéis sem utilidade, memórias... De todo os tipos de bolsa, a que mais me atrai é a mochila. Em todos os seus formatos, cores, modos, divisões e tudo o que se mistura lá dentro e como se mistura, embora você já tenha separado tudo para mantê-la organizada. Você divide o peso nos seus ombros, ao invés de sobrecarregar apenas um e caminha tranquilamente, como se ali estivesse tudo o que mais precisasse. Divisões de bolso, não de importância, muito menos de sonhos. Quando queremos nos referir a viajar pelo mundo, a quem nos referimos como grande parceira? Nossa mochila. “Vamos fazer um mochilão, amigos!” ou “Sou mochileira(o)!” e soa tão bonito, tão aventureiro, tão grande... Ah! Quantas coisas cabem em tão pouco espaço... Contradiz todas as leis da física e só sabe quem carrega “a casa” na mochila. Garantia de um dia tranquilo e confortável, pois, oras, fazer de…

Acerca do Amor

O amor é um tiro no escuro. O amor é um tiro no escuro de venda nos olhos.
O amor é um jogo de antítese para Camões, desafia os filósofos e põe em xeque-mate aqueles que acham que a vida é um jogo no qual alguém sai vencedor sempre, sem importar a situação. Enganam-se esses. A vida é feita de ganhar e perder e o amor desafia todas as lógicas possíveis.
O amor desafia a química, a física quando a mesma diz que dois corpos não ocupam o mesmo espaço. Ts, só sabe disso quem já dividiu cama de solteiro por um longo tempo. Desafia as línguas, pois o amor é uma língua tão universal que não há língua que venha explicá-lo de maneira correta. 
O amor é imperfeito dentro de suas perfeições. O amor é imperfeito dentro de suas perfeições em não tentar ser perfeito. Ele apenas é.
O amor, em todas as suas origens, é desafio.
O amor alimenta-se de coisas boas. Mas se fortalece nos maus momentos. 
O amor é egoísta. O amor é egoísta quando junta duas pessoas em uma só causa, a sua causa de amor.
O amor grita …

Who Is?

Então, cara... Sabe quando você tenta de todas as maneiras? Quando você caminha sem água, sem chão e só come poeira? Você deita, você cai e rala seu joelho, demora a levantar e não acredita mais ter forças? Você carrega o peso do mundo nos ombros, você procura afago e só encontra pancada e porta fechada? Sabe, cara... Quando todas as forças do mundo se revoltam contra você e tudo o que te dizem é um foda-se bem grande e sonoro na sua cara porque tudo até então foi em vão e nada, além de nada, restará; quando tudo o que te sobra de você é você mesmo e os restos de que um dia tu foi e não sabe mais como juntar. Está tudo uma bagunça!         Tudo um lixo, tudo uma merda... Como que você consegue descansar com uma bagunça ao seu lado, sendo que essa bagunça é você? Como você vai conseguir ajeitar a cabeça sendo que você não encontra a paz? Nada é possível nesse exato momento. E você deita, rola, toma café e come todos os chocolates possíveis, pensa-repensa, sem saber o que fazer. Não posso desi…

Comin' Home

Estou voltando... voltando para tudo aquilo que me fez ser um dia Canções, livros, amigos... Tudo o que me deixa em paz merece um altar particular. Por que estar centrada a essa altura é tão difícil? É necessário uma distração de tudo e de todos. Sair, sentir, ver paisagens, cores, pessoas, rostos amigos, velhos conhecidos... Estou voltando... voltando para aquilo que eu nem sei se existe mais. Será que eu ainda sou? Reparte a soul. Dói tanto... tanto... tanto... recolher os pedaços daquilo que fui. Estou voltando... voltando para algo que sequer deixei para lá. E eu grito... grito... gritos que não fazem ecos, nem sons, gritos... nos silêncios do meu ser silenciado. Por quê? Estou voltando... Estarei voltando para algo que não resta nada, além disso. Isso. Por que estou voltando...? Eu terei voltado E desvoltando tudo aquilo que deixei de crer Somente eu e mesma.
No regrets.

Céus

O céu cheio de estrelas
E o coração seu.
Céu seu
Céu meu
Quantos céus cabem no intervalo de ser teu?
Brilha, brilha
Todo meu
Todo seu
Todo nosso.
Completo, inteiro
O infinito do céu da sua boca no céu da minha.

Prazer, eu!

Pensar na vida hoje é pensar como imaginar o inimaginável acontecendo.
Ter a certeza que o eterno não existe, baseia-se mais numa construção cotidiana dos nossos anseios e desejos.
Relacionamentos, laços, carreira, construir construir e construir.
Construir você, eu tu ele, nós.
Tanta, mas tanta coisa que acontece hoje na minha vida estavam totalmente fora dos planos, mas mais do que fora dos planos, fora de cogitação, fora da minha imaginação.
Não tenho certeza de muitas coisas na vida, mas acho que a vida é aquilo que acontece nas entrelinhas, no oculto, no nosso ponto mais profundo do coração da gente que bate em silêncio meio a uma rotina cansativa.
Não posso garantir que me encontrei, afinal, Deus me permite viver ainda e enquanto eu viver, Ele me permitirá procurar coisas em mim que eu nem penso em encontrar.
E que seja assim
Seja assim sempre que se permitir, que eu me permitir ser.
Ser, não ser, deixar de ser.
O importante é estar bem comigo e ser um pouquinho egoísta, porque …

Bem que te quero

Eu tentei ser o teu descanso, mas por que é tão difícil? Eu tentei ser a tua paz, o teu chão e o teu céu Mas você renegou por tantas vezes minha presença. Tentei ser o teu amor Mas você repeliu todo e qualquer sentimento que viesse a crescer dentro de você. Será que você não enxerga o medo que o medo traz?  O medo que o medo causa em nós? Como uma flor, despedaço-me no bem-me-quer mal-me-quer. Meu mal foi querer ser teu bem Tanto, mas tanto Que esqueci que amor não se dá, amor se tem. No peito, nos gestos, no olhar. Te dou asas e sigo ao vento. Liberdade para quem sonha com amor verdadeiro. Talvez o verdadeiro verdadeiramente brote em um momento terno.  Eterno. Te espero voltar. Não demora, por favor.
Com amor, Teu bem.

Movement

Movement a dorTira de um lugar, põe em outro Até não sobrar mais Lugar.  Movimentador Teu olhar Segue os meus passos Meus atos Procurando um lugar Para guardar O rancor. Movement a dor Rancor Pavor E entregue-se de vez Ao amor Movimentador.

Agora

Talvez a sua indiferença nem doesse mais. E talvez não doa. Resolvi que não ligaria muito para tudo isso.  Jurei de pé junto, sem dedo cruzado, que isso tudo não me afetaria mais. E toda essa promessa já dura algumas duas horas. Ah, se eu pelo menos soubesse o que eu fiz de errado para te ter tão indiferente assim. Talvez seja o amor demais. Amor que rasga, que sangra, que dói. Amor desigual. Amor que não cresce por inteiro.  Por que tanto amor diante de tanta indiferença? Será que é realmente amor? Já nem sinto vontade de escrever sobre. Os dedos só rolam por aqui, criando em rascunhos algumas palavras aleatórias que entram por teus olhos e não causam mais efeito nenhum.  Se é que algum dia causou. Sem dramas, sem choros. Me encontro de maneira indiferente, vazia, incompleta.  Pago por defeitos que nem sequer são meus. E o meu único defeito é te amar demais.  Mas a tua indiferença gela queima destrói reconstrói Tudo o que um dia Foi amor demais. Agora, é só...

Soul

Te escondo a verdade e te protejo de uma solidão sem nexo, pois na verdade quero me esconder de mim. Te esconder de mim.
Sacudo toda a poeira, levanto, danço capoeira
E numa rasteira, não sou ninguém.
Não sou ninguém?
Eu sou alguém.
Alguém que te acolhe de braços e peito aberto, te chama pra dança, se equilibra no próprio desequilíbrio para não desequilibrar. Te fascina te encanta te deixa puto sem deitar de te amar.
O que seria do amor sem isso?
Sem tu
Sem nós
Não seria nada além do A.
Te testo, te uso, te sou.
Soul.
Almas gêmeas nunca morrem.