Pular para o conteúdo principal

Love me Leve-Me Levo-Te

Acabo por rasgar as folhas espalhadas na minha cama. Arg! Esse falso inverno me confunde a cabeça. Esse calor infernal na minha cabeça borbulha os meus pensamentos, cozinhando-os e fritando-os, condensando cada vez mais o fato de eu não-conseguir-esquecer.
Prefiro as flores da primavera, embora por eu ande ultimamente eu veja tudo sempre florido.
Prefiro setembro e a certeza de algo mais verde em si.
Por que verde?
Volto ao questionamento de Garrett, Carlos e os olhos de Joaninha.
A natureza sempre me fez bem.
Joguei todos os papeis para o alto e preciso largar tudo antes que me afogue em mim mesma. Uma vez submersa em mim, jamais posso voltar a superfície.
Love yourself first Love yourself first
Pecado!
Não tenho mais como retornar, pois eu amo você primeiro.
Escondo-me atrás do seu sorriso.
Perigo!
Escondo-me em meus erros e te culpo por não ser o suficiente de algo que eu não sei o que é.
Equiparo-me a coisas sujas e imundas.
Eu não me vejo.
Mas eu te vejo,
te adoro
e te venero.
Love yourself first
Leve yourself first
Por que não?
Te enxergo e por trás de ti, me enxergo.
Mas como isso? Preciso me enxergar do teu lado.
Volto e te dou a mão.
Volte e me dê mão
o braço
a perna
o peito
a vida.
Devolva-me
Mas não deixe-me sozinha.
Love me
Leve-me
Levo-te.

Comentários

Postar um comentário

Abrace você também...

Postagens mais visitadas deste blog

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…