Pular para o conteúdo principal

Aos Amores Tempestuosos

Parece que o tempo tem girado ao contrário ultimamente. Nosso fardo anda tão pesado que, sim, Drummond, os ombros suportam o mundo. Mais os dele que os meus, mas eu prefiro acreditar que um é o apoio do outro e sem isso acaba por enfraquecer.
Certa vez me dissestes para deixar o inverno lá fora e cuidar do quente da nossa morada. Lembrei-me de que fiz dos teus braços a minha morada e não pretendo deixá-los. O inverno invadiu, abalou, mas estou cuidando e reparando os estragos dessa tempestade de verão. Geralmente breve e passageira, causadora de estragos que as outras estações tratam de reparar e tudo se torna bem mais bonito com o chegar da primavera.
Teus braços continuam a me confortar como jamais confortaram antes. Teus medos, meus medos, nossos medos hão de se tornar coisas banais perto do nosso amor. Teus braços e teu peito hão de afagar minhas dores e eu, permanente e firme, estarei mais forte do que nunca para espantar qualquer fantasma que tente se aproximar de nós.
É importante que não haja qualquer enfraquecimento das partes, pois somos um todo que se completa. Qualquer enfraquecimento há de fazer cair e abalar toda uma estrutura que ainda está sendo erguida para tentar se firmar e se manter por si só.
Não sei se falta algo, pois o que faltava era você e você se encontra aqui, perto de mim. Espero que não pense que irei desistir, pois eu posso não ser das melhores, mas sei ser persistente naquilo que idealizo para mim e, entre muitas coisas, a principal é você.
Sempre te pedi paciência e calma frente a essa tempestade toda, uma hora passará. Não se encarregue de nada, não meça forças com o destino. A vida sabe cobrar de todo mundo o que cada pessoa lhe deve. Apenas tenha paciência.
Não perca a fé, pois é essencial para qualquer coisa que seja relativo a você. Não deixarei você desistir, assim como eu não irei desistir.
O mundo anda descolorido e esperando por alguém que esteja disposto a colori-lo.
Por mim, por nós.                                                                              
Paciência.
A paciência é uma dádiva e, com calma, pintaremos os nossos dias futuros.

Comentários

Postar um comentário

Abrace você também...

Postagens mais visitadas deste blog

sem rumo

Passado o tempo Es pa ço Apressa o passo Rumo Ao Sem rumo. Não há volta, Nem caminhos Tra ça dos Os laços Desfaço Os nós E sigo... Sem rumo Ao
Meu mundo.

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.