Pular para o conteúdo principal

Que será, que será?

O que será que me dá? Não sei, mas queima por dentro e me faz suspirar
Me engole, me devora, me deixa turva e cega
Acabam-se os medos, a paz, a agonia e a calma
Constante paradoxo entre ser e sentir.
O que será que me dá?
Constante sentimento de querer e ter
O medo de não ser o suficiente
Fazer sem medir esforços
Abraçar de modo frequente.
Esquecer as mágoas passadas
Cuidar
Ser cuidado
Ter cuidado.
Ser frágil e viril.
O que será que me dá?
Fogo que arde
Dor que se sente
Nós que desatam
Vontandes incontroláveis
O que será que me dá?
Amor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…