Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2012

Amado Nelson Gonzaga

Nesse ano de inúmeros centenários, não poderia deixar passar sem falar de pessoas tão maravilhosas e influentes. Jorge Amado, Luiz Gonzaga e Nelson Rodrigues, se vivos, completariam 100 anos. Mas, como dizem, os bons morrem cedo. A morte, nesse caso, fica apenas na matéria do ser, pois se tratando de pessoas tão maravilhosas, posso dizer com toda a certeza de que estas permanecem vivíssimas. O legado deixado por eles vai muito além de vida e morte, a influência vai muito além do estado de ser. Jorge Amado é, literalmente, amado. E como não poderia ser? Enfrentou com sua escrita o preconceito, o “coronelismo” e o pensamento retrógrado que ainda existia (ou existe?) em nossa sociedade. Baiano arretado, nosso Amado tratou de temas polêmicos, lhe dando a devida atenção. Tratou as diversas religiões da Bahia com peculiaridade, sem deixar nada de fora. Nos apresentou os eternos Capitães de Areia, nos fez sentir o cheiro de cravo de Gabriela e aproveitar os últimos minutos de vida com Quinca…

Questão de Tempo

Sentou-se para arrumar a velha gaveta bagunçada. Precisava ajeitar algumas coisas e eliminar outras. Era uma tarefa difícil, pois se tratava mais do que só uma gaveta, era o seu íntimo que estava em jogo naquele momento. Abriu a gaveta. Deparou-se com tanta coisa: fotos, cartas, presentinhos, lembranças. Mexer em uma estante empoeirada naquele momento seria mais lucro para ela, pois afetaria somente a sua rinite. Encontrar tudo isso foi meio que um choque. Deparar-se com coisas assim não é fácil pra ninguém, principalmente quando precisamos eliminá-las. Começou a arrumar. Por vezes ensaiou lágrimas, mas o sorriso tímido tomava conta dos seus lábios e, principalmente, dos seus olhos. Tinha essa pequena manha de sorrir com o olhar. Costumava dizer que os olhos são donos de verdades inenarráveis. Continuou a arrumar. Separou um amontoado de coisas para jogar fora e, junto daquelas coisas, pedaços do seu ser. Separar-se de coisas assim é o mesmo que jogar parte de você fora. Uma parte que, n…