Pular para o conteúdo principal

Perde&Ganha

Eu fico tentando das melhores formas possíveis lidar com a sua presença em mim. Sempre que você vai e retorna é com algo novo, sempre melhor, sempre interessante. Sempre me maltratando.
Te amasso, te jogo, te quero cada vez mais perto de mim.
É como um jogo vicioso e cheio de regras e manias. Não adianta dizer que eu perdi, pois me encontro perdida desde que te vi pela primeira vez. Não consigo reencontrar nada em mim e cada vez que tento é como se jogar de um precipício, totalmente sem fim.
Um vício, meu passatempo predileto.
Te amassar, te jogar, te querer cada vez mais perto de mim.
Meu quebra-cabeça é a nossa foto. Aquele jogo da forca no qual sabemos qual é a palavra, sabemos todas as letras, mas não conseguimos dizer a última letra e a de maior importância. Acabamos por morrer em algo que sabemos completamente tudo e faz todo o sentido.  Apenas sentir.
Esse jogo vicioso, de múltiplas rodadas e apenas dois jogadores. Dois estúpidos jogadores.
Quem irá vencer?
Quem será capaz de renunciar nessa queda de braço infinita?
Esconde-esconde de sentimentos e pique-pega de sei-lá-o-quê.
Não insista em se esconder de mim, pois, mais cedo ou mais tarde, bato o teu nome nas paredes do meu coração.
Te amassei, te joguei, (não) te quero cada vez mais perto de mim.
Game Over!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

sem rumo

Passado o tempo Es pa ço Apressa o passo Rumo Ao Sem rumo. Não há volta, Nem caminhos Tra ça dos Os laços Desfaço Os nós E sigo... Sem rumo Ao
Meu mundo.

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.