Pular para o conteúdo principal

Bilhete

Eu fiquei te observando por um tempo de longe.
Nossa, como você me dói!
Eu procurei não incomodar, ficar o mais distante possível. Longe o bastante para te observar, apenas.
Você espalhava seus sorrisos, sua alegria, sua confiança. Era algo tão bonito de se ver, mas dolorido demais para se ter.
Fiquei te observando apenas de longe.
Às vezes quis te emprestar uma mão, por muitas vezes um braço e incontáveis vezes toda a minha pessoa. Mas resolvi ficar apenas de longe.
Te observar já era dolorido o suficiente para te querer cada vez mais perto.
Mas, eu não queria mesmo incomodar e sempre tive dessa de não incomodar mesmo. Não seria diferente, já que era algo meu.
Então, fico apenas de longe observando o quanto você me dói.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…