Pular para o conteúdo principal

Querer, Sentir

Eu queria escrever algo que transmitisse felicidade.
Algo que fizesse os olhos possuir um brilho intenso e que tivesse o poder de iluminar àqueles que estão em volta.
Algo que despertasse um sentimento bonito entre eu e você, que nos fizesse rir juntos de coisas bobas e idiotas, que nos fizesse recordar do quão maravilhosa é a vida.
Eu queria escrever sobre as coisas simples da vida. Sobre aquele velho de chapéu engraçado sentado na praça olhando a rua, porque é bonito falar de um velho de chapéu engraçado sentado na praça olhando a rua.
Escrever sobre o sorriso bonito que uma criança dispara ao sentir o carinho mútuo entre você e sua mãe amada.
Eu queria escrever algo que fizesse sentido para você, que fizesse sentir o que eu sinto ao escrever sobre algo que eu realmente estou sentindo. Sentir sentir sentir.
Eu queria mesmo era sentir.
Sentir, de leve, tuas mãos ao encostar nas minhas, teu sorriso ao me avistar de longe e seu braços fortes me apertando naquele abraço mais-do-que-apertado.
Sentir teus lábios encostando suavemente nos meus, teu olhar doce e meigo ao cruzar com o meu estático e duro.
Eu queria te sentir, apenas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…