Pular para o conteúdo principal

Preciso

Preciso te contar algo baixinho e no ouvido. Preciso te contar algo que me consome todos os dias ao lembrar daquela noite vaga na minha memória.
Preciso te contar algo que esqueci de dizer naquele beijo de despedida e boa noite. Preciso te contar algo que ficou pendente ao olharmos para trás e nos fixarmos por alguns segundos.
Preciso te contar algo que ficou estampado nos meus olhos ao te reencontrar algumas vezes por essas estradas da vida e caminhos tortuosos. Preciso te contar algo que é tão secreto, que nem o meu coração pode ouvir.
Preciso te reencontrar para dizer que não consigo, nem por um minuto, tirar você da minha cabeça. Preciso te reencontrar, te abraçar novamente, sentir seus lábios nos meus, olhar nos seus olhos, sentir tua mão macia na minha barriga e seu suspiro junto ao meu corpo.
Preciso, preciso, preciso.
As lembranças vêm e vão, num piscar de olhos. Sinto, não sei por quê, que ficou algo tão vago, tão vazio e que irá acontecer algo o mais breve possível.
Eu sou tão tonta por ficar remoendo esse tipo de sentimento dentro de mim, por ficar me culpando por algo que não fiz e sentir uma saudade absurda de algo que existiu por apenas duas horas.
Eu preciso de tanta coisa, mas isso está se tornando cada vez mais necessário. Não tem problema. Amanhã eu levanto, caminho pela casa e trato de esquecer todas essas necessidades.
Por mais que eu queira ter você novamente, o mais perto que terei de você será uma reinvenção barata de 5 minutos.
Foi ótimo! Mas, eu apenas preciso...

Comentários

  1. É, tem essas coisas que a gente precisa tanto, mas não falaríamos, e nem seriam capazes de entender..

    ResponderExcluir
  2. Principalmente capazes de entender. Difícil, mas não impossível.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Abrace você também...

Postagens mais visitadas deste blog

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…