Pular para o conteúdo principal

Fato



Eu nunca afirmei ser santa e essa coisa perturbante de perfeição passa bem longe de mim.
Desde o início deixei bem claro que faria esforço, mas não prometi ser algo que não poderei ser. Sempre fui sincera, tenho ojeriza à hipocrisia.
Jamais prometi afeto imutável, até porque isso foge das minhas condições humanas. O “Para Sempre” me arrepia a espinha até hoje. Um fardo, uma coisa pesada para uma humana mutável que sou.
Minhas intenções foram claras, meus sentimentos foram puros.
A vida é isso e eu sou assim.
Crua, fria, transparente, humana, mutável.
Não exijo, nem prometo. Não espero e nem crio falsas esperanças.
Ultimamente ando mais de havaianas, pra evitar as rasteiras da vida. Minha cabeça continua focada e o coração, bem, esse isolei no congelador.
Melhor para mim, melhor para o mundo.
Um brinde à vida hipócrita e patética que tenho levado.
Um brinde a você, em especial, por contribuir com isso.
O inverno é realmente nostálgico.

Comentários

  1. "Minha cabeça continua focada e o coração, bem, esse isolei no congelador."

    Queria conseguir fazer isso, isolar meu coração. As vezes é muito necessário.

    Adorei o post e o seu blog!

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Por mais que seja difícil no início, com o tempo as coisas se ajeitam. Como tudo, é só uma questão de adaptação.
    Obrigada pelo elógio, pode ficar a vontade.

    ResponderExcluir
  3. Olá, gostei muito do seu blog.
    É cheio de atitude, todo lindo e por outro lado é aconchegante demais. Ficarei por aqui.
    ESTOU A SEGUIR :D
    Volto sempre.

    Também tenho um lugarzinho assim :
    www.misturadinamica.blogspot.com
    Ficarei contente em te receber por lá

    ResponderExcluir
  4. Olá, Jana!
    Muito obrigada, faço o possível para criar uma conexão com os leitores do meu blog.
    Pode ficar a vontade, sinta-se em casa (ou no seu blog, rs)
    Irei te visitar sim, pode deixar.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Abrace você também...

Postagens mais visitadas deste blog

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.