Pular para o conteúdo principal

O Amor Está de Férias

Hoje estive assistindo "O Amor não Tira Férias". Lindo esse filme, sou apaixonada por ele.
A história me envolve de uma tal forma, que chego a acreditar que estou vivendo-a. Gosto de me enganar, sabe. Meio estranho isso.
Bem que eu queria procurar no Google "férias tranquilas", dá de cara com um chalé na Inglaterra e ir viver um Natal solitário, sem ninguém por perto para encher minha cabeça. Só eu e uma garrafa de vinho. Seria mais do que genial.
Bem que eu queria dá de cara com um Jude Law da vida batendo na minha porta na madrugada fria da Inglaterra, pedindo abrigo e viver algo intenso com ele para nunca mais ser esquecido. Ah, como eu queria.
Bem que eu queria ir para Los Angeles e ficar perto de algo verdadeiro. De uma pessoa que já viveu tanto, que ensinar é uma dádiva para ele. Conhecer um Jack Black da vida, mergulhar nos seus solos de piano e sentir aquele vento no rosto ao encontrá-lo novamente. Afinal, tudo pode acontecer, não é?!
Queria poder chorar, sentir que é real, mergulhar de cabeça em algo totalmente desconhecido e verdadeiro e viver como se fosse o último dia da minha vida.
Mas, o que eu mais queria mesmo, era me afastar de toda essa confusão que envolve a minha cabeça neste momento. Fugir, correr, gritar, voar para Londres ou para Los Angeles, não sei, e esquecer de todos esses problemas emocionais que me rondam.
Porque, para mim, o Amor tirou férias há muito tempo. E toda vez que essas férias estão perto de acabar, ele arranja um recesso e passa mais não sei quanto tempo para me encontrar. E, quando finalmente me encontra, sempre vem com algum defeito.
Não sei, acho que estou querendo demais. Eu queria apenas respirar novos aires

Comentários

  1. Nesse aspecto, não somos muito diferentes. Essa vontade de viver algo intenso e novo é um dos desejos mais belos de nossas almas.

    Beijo, mon petit.

    ResponderExcluir
  2. É algo que, simplesmente, faz bem para a alma.
    Beijo, mon cher.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Abrace você também...

Postagens mais visitadas deste blog

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.