Pular para o conteúdo principal

Como definir 2010?

Estranho começar um texto com uma pergunta tão difícil de achar a resposta, pois apenas uma resposta não seria o suficiente para descrever o ano que passou.
Assim como todo ano, 2010 fez com que eu analisasse e percebesse o mundo ao meu redor. Porém, com uma olhar mais promissor, mais futurista, uma visão além das minhas percepções.
Conhecimento!
Conheci um pouco de cada lado da vida, de cada lado do ser humano. Poderia até dizer que foi um ano que desbravei muitas coisas, coisas além da minha imaginação. Coisas que eu jamais poderia crê.
Crença!
Em mim mesma, na reciprocidade, na justiça de Deus.
Sim, pude ver que ela jamais falha e que, por mais que as pessoas tentem nos prejudicar, ao final ela será a maior prejudicada. Hipocrisia rondou meu círculo social, e com a hipocrisia pude ver que podemos derrubar e matar leões. Afinal, círculo social é isso.
Novidades!
Novas amizades, novo ar, novo pensamento, novo amor, novo eu. Aspirei, busquei, encontrei coisas novas, além de mim. Pude perceber que ter uma visão incomum do mundo faz com que sejamos mais comum do que o real. É, não é nada fácil desvendar a vida.
Foco!
Estudo, vestibular, passar, sonhar. Ah, meu ano quase todo foi isso. Busca da felicidade plena, quem não quer encontrá-la? Só que estou tão longe, mas ao mesmo tempo tão perto. É, o ano de 2010 me deu esse gostinho de procurar e saber o que é e como é a felicidade plena e o foco que envolve tudo isso.
Abraçar a loucura!
Mais do que essencial, primordial!
2010 foi mais que um ano, foi uma lição essencial. O tempo passou mais do que rápido, passou ligeiro e eu o aproveitei ao máximo para colher todas as lições possíveis e impossíveis nas quais este ano quis me mostrar.
Não foi nada anormal, foi muito mais além disso.
Não posso dizer que mudei, apenas evolui.
E que venha 2011 e suas lições plenas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

sem rumo

Passado o tempo Es pa ço Apressa o passo Rumo Ao Sem rumo. Não há volta, Nem caminhos Tra ça dos Os laços Desfaço Os nós E sigo... Sem rumo Ao
Meu mundo.

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.