Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2011

Sabe?

Hoje eu acordei, olhei pela janela e vi o sol a brilhar. Pensei: “Nossa, como o dia está lindo e a vida passando rápido para ficar se preocupando com besteiras.”
Lavei o rosto, olhei-me no espelho. É, o tempo anda realmente passando para mim. Passando rápido, voando, sem muito tempo para muitas coisas pequenas e inúteis.

Segui o dia.

Não havia muito o que fazer a não ser seguir o dia. Tomei aquele bom e velho café, refleti sobre coisas que estão acontecendo dentro de mim. O café fez questão de dissolver algumas. Melhor, resolveu deixar pra lá.

Segui o dia.

Seria burrice dizer que não pensei em você um minuto sequer. Claro que pensei! Volta e meia penso e fico rindo, relembrando de certas coisas nossas. É uma sensação agradável que me faz afastar outras coisas de dentro de mim. Isso me conforta, sabe?! Por mais que eu não tenha notícias o dia inteiro de você, lembrar de coisas acontecidas faz eu me sentir bem.

Segui o dia.

Ando muito pensativa ultimamente. Procuro “n” formas de desabafar a…

Querer, Sentir

Eu queria escrever algo que transmitisse felicidade.
Algo que fizesse os olhos possuir um brilho intenso e que tivesse o poder de iluminar àqueles que estão em volta.
Algo que despertasse um sentimento bonito entre eu e você, que nos fizesse rir juntos de coisas bobas e idiotas, que nos fizesse recordar do quão maravilhosa é a vida.
Eu queria escrever sobre as coisas simples da vida. Sobre aquele velho de chapéu engraçado sentado na praça olhando a rua, porque é bonito falar de um velho de chapéu engraçado sentado na praça olhando a rua.
Escrever sobre o sorriso bonito que uma criança dispara ao sentir o carinho mútuo entre você e sua mãe amada.
Eu queria escrever algo que fizesse sentido para você, que fizesse sentir o que eu sinto ao escrever sobre algo que eu realmente estou sentindo. Sentir sentir sentir.
Eu queria mesmo era sentir.
Sentir, de leve, tuas mãos ao encostar nas minhas, teu sorriso ao me avistar de longe e seu braços fortes me apertando naquele abraço mais-do-que-aperta…

Procura-se um Zelador

Precisa-se de um zelador!
Um zelador que seja dedicado e fiel àquilo que faça. Um zelador que cuide daquele jardim como se o fosse o seu jardim. Regue, plante, adube, colha, e nunca, nunca mesmo, deixe aparecer ervas daninhas ou murchar qualquer flor e espécie de planta desse jardim.
Procura-se um zelador!
Um zelador que cuide com amor e dê amor. Um zelador que não se importe muito com as tempestades passageiras e nem com as chuvas de verão e que saiba que isso é importante e passageiro. Sempre passa. Passará.
Procura-se um zelador!
Um zelador que afaste a nuvem que se aproxima e traga o sol para deixar sempre belo e verde o jardim. Um zelador que saiba cuidar e cativar as borboletas que, por ventura, aparecem para agraciar o jardim.
Procura-se um zelador que saiba o verdadeiro significado do amor.

Café com Sentimento

Ela entrou naquela cafeteria. Sentou, pediu um café, permaneceu em silêncio.
Eu, apenas de longe, a observava. Um olhar triste, profundo, enigmático, de quem vê muito e acha pouco.
As suas mãos pequenas agarravam a xícara. Memórias rondavam sua cabeça, como pequenos diabinhos que querem atrapalhar o sono alheio.
Põe a xícara no pirex.
Engole a seco o café quente como se quisesse forçar a digestão de sentimentos amargos.
Toma outro gole.
Queima sua língua como se provasse do veneno desconhecido de alguma planta venenosa.
Um exercício estranho. Uma repetição de atos, como se fosse tudo ensaiado.
Digere lentamente o café juntamente com os sentimentos. Ambos amargos, nenhum adoçante, nenhum coração doce o suficiente conseguirá mudar isso.
Terminado o seu café, ela respira profundamente e tudo volta a ficar frio. Esquecera um gole de café. Talvez não tivesse esquecido, apenas quis deixar ali mesmo.
Um gole de café com aqueles sentimentos amargos que a acompanhavam desde quando ela entrou na cafeteri…

Ser?

Ela encontrou o seu lugar naquele espetáculo todo.
Disfarçada e escondida entre os últimos lugares da platéia, por trás do cara de chapéu estranho e engraçado, ela observava e falava pouco.
Pessoas de todos os tipos, tentando manusear os fantoches da vida ou, ao menos, participar e aparecer um pouco.
Faziam de tudo e acabavam esquecendo-se de serem o que chamam de ser.
Ria sem graça de certas coisas, certas pessoas. Ouvia muito, falava pouco. Um circo montado, um círculo vicioso.
Ah, então é isso que chamamos de vida?
Essa coisa estranha, vigiada, engraçada, patética a tal ponto de não sermos nós mesmos?
Ah, então é isso que chamamos de viver?
Será que vida e viver cabem num mesmo contexto?
Calma, pequena garota! Você ainda está encontrando-se, buscando buscar.
A vida, para você, está apenas começando a ter um sentido de vida.
Busque viver para buscar a vida.

Renascendo

Vamos comemorar
o nascimento
o renascimento
dessas águias
de visão ampla
de coração grande
de cabeça aberta
e peito apertado
sufocado
Comemoremos essa busca
essa coisa intensa e louca
que se denomina "liberdade"
Procurando sempre libertar-se
dessas correntes estranhas
denominadas "sentimentos vazios"
que nos prendem e arrastam para as cinzas
mas
ainda bem que existe o chamado RENASCER
VIVER
APRENDER
Quiça amar
só para não perder o costume...

Era Pra Ser

Era pra ser fácil assim
Não quero atender, quero fugir, me esconder e conseguir
Era pra ser, mas não é.
Era pra ser fácil assim
Não quero sentir teu cheiro, nem tua presença quando apareces, nem o toque das suas mãos ao deslizar sobre as minhas
Era pra ser, mas não é.
Desligar-me, desconectar de você e fugir para uma dimensão desconhecida. Onde não haja qualquer tipo de sentimento que me leve a você ou qualquer tipo de sentimento que me faça lembrar você.
Fugir, esconder-me feito um bicho com medo, de todas essas coisas estranhas que sinto quando estou perto de você e ao esbarrar com você por entre as curvas da vida.
Era pra ser fácil
Era pra ser um dia
Eu e você, nós, juntos
Era pra ser, mas não é.

Eu Consigo

Sentiu uma falta absurda hoje de velhos hábitos do sábado.
Sentiu falta, mas não quis voltar ou sequer pensar em remexer na ferida.
Deixá-la quieta foi uma decisão sensata e menos dolorida. Qualquer coisa em processo de cicatrização dói cada vez mais ao tentarmos remexer.
Sentiu falta de ter fé. Não era aquela fé espiritual, de Deuses ou Deus, era a fé das coisas simples da vida: um sorriso sincero, um amor verdadeiro, uma coisa que expressasse uma vontade absurda de viver.
Ela já não sabia o que era aquilo há tempos!
Seguiu.
Andou pelos cômodos da casa, revirou velhas páginas de histórias passadas e rasgadas, sentou-se na varanda e degustou um café.
Olhou para aquele céu que refletia a sua alma e aquele tempo que virava feito a sua cabeça.
Levantou-se.
Deu um passo e disse: Eu consigo ser feliz comigo mesma!

Preciso

Preciso te contar algo baixinho e no ouvido. Preciso te contar algo que me consome todos os dias ao lembrar daquela noite vaga na minha memória.
Preciso te contar algo que esqueci de dizer naquele beijo de despedida e boa noite. Preciso te contar algo que ficou pendente ao olharmos para trás e nos fixarmos por alguns segundos.
Preciso te contar algo que ficou estampado nos meus olhos ao te reencontrar algumas vezes por essas estradas da vida e caminhos tortuosos. Preciso te contar algo que é tão secreto, que nem o meu coração pode ouvir.
Preciso te reencontrar para dizer que não consigo, nem por um minuto, tirar você da minha cabeça. Preciso te reencontrar, te abraçar novamente, sentir seus lábios nos meus, olhar nos seus olhos, sentir tua mão macia na minha barriga e seu suspiro junto ao meu corpo.
Preciso, preciso, preciso.
As lembranças vêm e vão, num piscar de olhos. Sinto, não sei por quê, que ficou algo tão vago, tão vazio e que irá acontecer algo o mais breve possível.
Eu sou tão ton…

Penúltimo

Um convite para uma última dança e um último drink. Risos e voz ao pé do ouvido, você sabe como seduzir.
Não tenho certeza quanto ao que senti naquele momento, mas era algo necessário. Um arrepio, uma palavra e algo único.
São essas sensações de uma noite que a gente não consegue esquecer e passa como um filme sempre que paramos para pensar em coisas extraordinárias.
Já me passou pela cabeça falar-te muitas coisas, chamar-te para muitas outras e convidá-lo para um penúltimo drink. Um último é meio trágico, nada se tem um fim, até que coloquemos um ponto final.
Acho que não tive culpa de não concluir o nosso meio, mas tive culpa de te abandonar nesse meio. Não liga, sou vacilante mesmo.
Mais que isso, sou desequilibrada e apaixonante. Não, não estou querendo inflar o meu ego, mas é o que escuto por aí.
Queria poder te dizer para aguardar uma penúltima dança, uma penúltima risada ao pé do ouvido e, quem sabe...
Mais uma vez, prefiro deixar vago algumas coisas.
Agora fico aqui parafraseando algo…

Reinventar

A eterna love song de nós dois tocou hoje na rádio. Mais do que depressa juntei as tuas cartas, montei um quebra-cabeça do teu retrato todo rasgado e vivi um momento nostálgico, digamos, prazeroso.
Sentir tudo aquilo de novo me remete a momentos maravilhosos, mágicos, difíceis de definir. Não me arrependo de ter vivido ao seu lado nem por um minuto, mas também não desejaria viver novamente.
Não me leve a mal, por favor. É que essa coisa de voltar para algo que já deu o que tinha de dar não me faz bem. Creio que não fará a você também.
Chore, ria, lembre, sinta saudades!
Mas jamais deseje voltar, pois não terá o mesmo gosto.
Sem querer ser um texto de amor piegas, brega, demodê e partindo para as frases clichês da vida, digo para não se arrepender daquilo que fez, viveu e etc. Arrependa-se, apenas, por não ter vivido algumas.
Nossa música está no final neste momento.
Percebo, agora, que tudo foi mágico.

Fato

Eu nunca afirmei ser santa e essa coisa perturbante de perfeição passa bem longe de mim.
Desde o início deixei bem claro que faria esforço, mas não prometi ser algo que não poderei ser. Sempre fui sincera, tenho ojeriza à hipocrisia.
Jamais prometi afeto imutável, até porque isso foge das minhas condições humanas. O “Para Sempre” me arrepia a espinha até hoje. Um fardo, uma coisa pesada para uma humana mutável que sou.
Minhas intenções foram claras, meus sentimentos foram puros.
A vida é isso e eu sou assim.
Crua, fria, transparente, humana, mutável.
Não exijo, nem prometo. Não espero e nem crio falsas esperanças.
Ultimamente ando mais de havaianas, pra evitar as rasteiras da vida. Minha cabeça continua focada e o coração, bem, esse isolei no congelador.
Melhor para mim, melhor para o mundo.
Um brinde à vida hipócrita e patética que tenho levado.
Um brinde a você, em especial, por contribuir com isso.
O inverno é realmente nostálgico.

Buraco Negro

Parei no seu quarto com os braços abertos, pronta para lhe aquecer.
Fixei seus olhos. Um oceano de mentiras e loucuras no qual quero me afogar e me perder para tentar me encontrar.
Dancei no seu ritmo, tentei acompanhar os seus passos, mas senti que estava rápido demais. Fiquei apenas a observar, era lindo e digno.
Naquele momento você sentiu que não estava sozinho, pois eu estava ali, esperando você para irmos para um lugar além de nós mesmos.
Eu sempre fui sua maior desculpa, seu maior medo de errar. Mas isso não impedia nossos erros mútuos.
Na mesma velocidade que você procura uma saída de nós, eu procuro uma resposta para nós.
Eu sei disso. Aliás, nós sabemos.
Tentar esquecer, tentar fugir, é o mesmo que confrontar, só que de forma diferente e misteriosa, quase submissa.
Submissa é a nossa situação. Estamos submissos um ao outro, estamos submissos a todo esse ar que nos cerca. Escravos de nós mesmos, nós não sabemos mais para onde correr.
A vida nos deu todas as escolhas possíveis, mas par…

Envolva-me

Sentei-me na varanda e abri meu livro favorito. Estava precisando me distrair de você, buscar uma nova inspiração para minha vida, mas cada palavra dele me rematava para você.
Busquei outra forma de me distrair de você. Fui ouvir músicas, pensar em outras coisas. Nada!
Só você.
O tempo todo, a todo instante, em meu pensamento.
Penso: Como fui deixar isso acontecer?
Jurei-me forte, pensei que tinha parado com essa ânsia infantil de apaixonar-me todos os dias por um sorriso fácil, mas parece que me enganei.
Pobre de mim!
Parece que isso nunca acaba. Uma teia, um círculo vicioso, uma areia movediça. Me meti em encrenca mais uma vez, me meti num beco sem saída ou qualquer coisa que isso pareça e não consigo livrar-me disso.
Pobre de mim!
Não sei mais o que fazer, não mais nem se quero fazê-lo. Apenas espero.
Não farei mais promessas, não farei mais orações, não tentarei mais desvendar suas deixas. Mas, permanecerei aqui. Infelizmente, permanecerei aqui estática para você.
Aguardando uma deixa para u…

O Amor Está de Férias

Hoje estive assistindo "O Amor não Tira Férias". Lindo esse filme, sou apaixonada por ele.
A história me envolve de uma tal forma, que chego a acreditar que estou vivendo-a. Gosto de me enganar, sabe. Meio estranho isso.
Bem que eu queria procurar no Google "férias tranquilas", dá de cara com um chalé na Inglaterra e ir viver um Natal solitário, sem ninguém por perto para encher minha cabeça. Só eu e uma garrafa de vinho. Seria mais do que genial.
Bem que eu queria dá de cara com um Jude Law da vida batendo na minha porta na madrugada fria da Inglaterra, pedindo abrigo e viver algo intenso com ele para nunca mais ser esquecido. Ah, como eu queria.
Bem que eu queria ir para Los Angeles e ficar perto de algo verdadeiro. De uma pessoa que já viveu tanto, que ensinar é uma dádiva para ele. Conhecer um Jack Black da vida, mergulhar nos seus solos de piano e sentir aquele vento no rosto ao encontrá-lo novamente. Afinal, tudo pode acontecer, não é?!
Queria poder chorar, sentir…

Ser Traduzível

Foi por acaso que encontrei essa mulher. Cruzando com ela na escada, percebi o seu tipo de “mulher desequilibrada” apenas com um olhar.
Ela era desequilibrada em tudo. Ou era muito razão, ou muito coração. Nunca um meio termo.
Profunda, romântica, daquelas que vivem um amor intenso. Sensual, provocante, daquelas que te usam, te pegam e não deixa que você a esqueça nunca.
Seu ar tem um quê de mistério indecifrável, um decifra-me ou devoro-te constante.
Olhar para ela foi o mesmo que me encontrar no meio daquela confusão urbana. Muito barulho, e um minuto de silêncio surgiu ao nos cruzar com os olhares.
Tão transparente e tão atingível.
Mostrava para quem quisesse ver suas dores e seus questionamentos. Muitos, demais. Sobre o mundo, sobre a vida e, principalmente, sobre o amor.
Foi uma coisa tão rápida para tanta coisa percebida, que nem sei como explicar.
Na minha memória ficou apenas o teu olhar e o que ele quis me dizer.
Gostaria de tentar decifrar-te, mas sei que você pode me surpreender.
Com…

Renova-me

Não sei o que me agrada nesse momento. Para falar a verdade, não sei o que sinto nesse momento.
Essa mescla de sentimentos dentro de mim leva-me a não sentir nada além de nada, e de muita indiferença para com os sentimentos alheios.
Não que eu não ache bonito amar ou ser fiel a uma amizade, acho lindo e um gesto muito nobre. Mas é que às vezes cansa demais.
Ai, baby, difícil dizer o que se passa em mim, na verdade.
Eu não sei, eu não sei mesmo. Juro que estou tentando me entender, te entender, nos entender para tirar alguma conclusão dessa história toda. Mas, confesso, está difícil.
Não são faltas de tentativas, muito menos de esforço.
Ponho nossa música, danço conforme o tempo e o vento.
Não sinto nada.
A verdade é que estou tão cansada, baby. Cansada de tudo e de todos.
Au revoir, vou para Paris. Redescobrir-me.
No amor, nas ilusões, na vida.
Eu sei que tenho fé dentro de mim e em mim. Só não sei como usá-la. Ou não quero usá-la.
Vida, louca vida. Vida breve e leve.
Vida, louca vida. Vida imensa…

Restos

Da nossa melodia, só os acordes.
Do nosso inteiro, só as partes.
Do nosso abraço, só a saudade.
Do nosso amor, só uma metade.

Calejada, sofrida, dolorida

Internamente e externamente, calo-me.
Não há nada o que ser dito
Deixemos o silêncio falar, então.

Como Ela Mesma

Elis Regina no último volume, pois ela sabia das dores da alma. Alheia.
Não sabia mais o que era o quê, ou quem era quem, mas não queria voltar. Mas também não queria ir adiante. Ficava estática, parada, esperando algo que talvez nunca chegue, nunca vá e nunca volte.
Mãos no coração, apertos e soluços. A alma dói, dói, dói, porque está calejada. A vida pesa porque está fatigada. A cabeça atormenta neste momento porque está confusa.
Nunca foi fácil, mas também jamais foi tão difícil como está sendo agora.
Todas as coisas aprendidas, todas as vividas, estão esvaindo-se nesse momento. Sentimentos também.
Não sabe o quê e não sabe por quê, não quer saber os motivos e nem procura saber das respostas.
Está ali, parada e estática, com medo de passar adiante ou olhar para trás. Por isso, não vive o agora.
Reflexão: minha dor é perceber que, apesar de termos feito tudo o que fizemos, ainda somos os mesmos e vivemos... Sozinhos.
O sinal está fechado apenas para ela, baby.
Vá em frente e siga feliz.
Ela a…

Elipse do "Eu"

Aqueles solos de guitarra a excitavam.
Nada melhor, nada mais intenso, do que isso para lhe dá sede de não sei o quê.
Um batom vermelho manchado e as unhas pintadas pela metade com vermelho: nada mais punk e rock n’ roll.
Só seus pensamentos, que atordoavam e incomodavam as pessoas alheias.
Eu gostava disso nela. Ela era intensa e provocante. Daquelas que não ligavam pras opiniões alheias e falava tudo o que tinha de falar.
Ê, mulher.
Tu és aquela que atordoa meus sonhos picantes todas as noites.
Tu és aquela que me vem à noite e sussurra meias palavras e me tira o fôlego.
Tu és, simplesmente, aquela que sonho ter todos os dias.
Mas, tu és assim
Livre, leve e solta como um solo de guitarra desafinado e uma orquestra sem maestro.
Você, mulher, é assim
Uma prece não feita, uma dívida não paga
Você, mulher, é apenas fruto de um devaneio tolo que me perturba todas as noites e em nada me acrescenta.
Você, mulher, é aquela na qual me escondo para não aparecer. Meu eu em forma de elipse, meu demônio mais …

Palavras: avesso da solidão

Agora eu sou metade.
Metade silêncio, metade palavras.
Quando quero me despir, mostrar minha alma como num espelho, venho aqui.
Desabafo escrevendo. Pois, acredito que não há ouvinte melhor do que este aqui.
Meu diário aberto, minha alma transparente.
Palavras, palavras, apenas.
Ah, como me atingem, como me doem tuas palavras em silêncio, teu olhar doce com palavras escondidas e esquecidas.
Por que me atingem tanto tuas palavras em silêncios?
Deve ser porquê sou toda amor.
Toda amor, toda silêncio. Toda palavras.
Palavras nuas, palavras cruas.
Apenas a verdade.
Acho que por ser tão transparente, fica fácil saber onde fica meu ponto fraco e pá, quando você menos espera, baby, já atingiram-me.
Desmorono agora, sozinha.
Pois, você sabe, palavras: avesso da solidão.

"Eu"

Existe um buraco aqui, sabe?
Entraram, me roubaram e não me avisaram nada.
Levaram meus sentimentos, meu amor, minhas lágrimas.
Fiquei seca.
Existe um vazio aqui, sabe?
Estou preferindo neste momento o silêncio à palavra. Só isso.
Quero ficar quieta, calada, centrada.
Buscar minhas respostas num lugar bem distante daqui.
Far, far away, baby.
É que não te avisei de início, mas eu sou uma incógnita constante.
Machuco demais por isso, machuco de uma forma instantânea quando tentam me invadir por completo, sei lá, me sinto despida.
É que me fecho, sabe baby, entre uma aspa e outra, volta e meia.
E fica ali, só "eu" e "eu" mesma.
Por favor, me deixa aqui por enquanto.
Comigo e comigo mesma.

Somos Assim

Somos assim
Amor de loucos, amor de poucos
Doce, eterno, imaturo, mágico.
Somos assim
Amados, amantes
Não se esconda, não se prenda
Pegue minha mão, me leve para passear, me leve para namorar
Para me amar
Amar-nos
Escondidos, encolhidos, fundidos
Num só.

Eu Que Não Tive Você

Olho sua taça de vinho quase todos os dias, pois a deixei intacta em cima daquela mesa. Talvez seja um modo de reviver aquela noite... Louca, intensa, cheia de paixão, fogo e desejo. Passageira.
Como fui deixar me envolver você? Por suas falsas e decoradas palavras, seu sorriso fácil e sua pele macia?
Fui fraca, eu sei.
Deixo tudo ali do mesmo jeito, deixo tudo bagunçado. Dentro e fora de mim, sua ausência pertuba e me enfraquece a cada dia.
É que você, por mais que viesse por outros motivos, me ouvia.
Ouvia meus choros, meus risos, minha besteiras e abraçava minha loucura.
Estou sendo fraca de novo, eu sei.
Não me culpo, não me rendo, não me arrependo.
De um certo modo aprendi, mas não é a primeira vez que isso me acontece. Não é a última que irá acontecer com você.
Sejamos francos, sejamos hipócritas: sabemos que ficou algo de ambos, em cada um.
Foi recíproco e você sabe.
Mas preferimos esconder, preferimos fingir que nada aconteceu e que não cruzamos os caminhos, os destinos.
Que o futuro se t…

O Tempo.

Vamos ser realistas, o que estamos querendo esconder?
O que queremos tapar com curativos expostos?
Feridas, dores reais, amor sem cura.
Eu queria poder não me sentir assim, mas é inevitável.
Não é sua culpa, eu acho.
Penso muitas vezes e me culpo seriamente por isso.
Minha frieza, minha distância e, principalmente, minha indiferença.
Eu te amo, nunca escondi isso.
Só necessito de um tempo sozinha, um tempo pra pensar e colocar as ideias no lugar.
Saiba que seu travesseiro continuará intacto, sua xícara não mudará de lugar e suas roupas, como os seus braços, estarão entrelaçados em mim.
Como as nossas almas e os nossos corações: dois como um.
Não se afaste.
Afaste-se.
Estou exposta, preciso de uma máscara.
Está frio. Estou fria.
Preciso de um café, a minha cura.

Ponto.

Esse lance de amar por amar, amar por hoje, por ontem, por nunca mais, nunca me satisfez. Aliás, nunca estou satisfeita.
Minha fome é grande, tenho fome de tudo e de todos. Gosto de conhecer as pessoas, descobrir as suas particularidades e não sabê-las. Saber por saber também é muito fácil. Não gosto de nada fácil.
Hoje o mundo me assusta de uma forma tão imensa. Hoje sou um bicho encolhido, preso e enganado.
As pessoas, não sei. Elas mudaram. Elas não têm visão de nada mais além do agora. De que vale a pena viver e saber que não está vivendo? Qual responsabilidade carregamos? Nenhuma? De que isso vale?
De nada.
Qual o sentido que a vida apresenta hoje em dia?
Busca-se um sentido. Busca-se um amor difícil, árduo, que machuque.
Machuque de forma cruel, esmagadora, difícil. Machuque de uma forma que você o machuque também, como um espelho.
Busca-se um motivo para ser feliz.
Um sorriso fácil, um abraço fácil, uma felicidade difícil.
Dura e tonta realidade.
Deixe-me, deixe-me aqui.
Quero morrer só e …

Crescer

Acordei diferente hoje.
Tinha algo muito estranho movimentando-se dentro de mim.
Uma sensação estranha, saudável, que está me fazendo crescer.
Estou crescendo bastante ultimamente.
Não deixo mais coisas pequenas me abalarem. Coisas medíocres, podres, pequenas e pobres, acabavam comigo. Me detonava lentamente diluir todas as situações, as palavras, os fracassos e as pessoas que não me faziam bem.
Quando acontece algo assim hoje, eu deixo para trás.
Cansei, cansei.
Cansei de chorar, de me cobrar, de me importar com essas coisas que só acabavam comigo.
Estou melhor agora. Em um ápice.
Amada, feliz, completa.
Não preciso de coisas pequenas a me consumir mal e lentamente.
Existe um Mundo lindo e grande de coisas lá fora, e eu me perdendo em coisas pequenas e bestas dentro de mim.
É, acho que estou crescendo.
Crescendo calma e lentamente.
Estou bem, muito bem por sinal. Como nunca estive antes.

O que faz você feliz?

Recebi uma carta esses dias. Linda, por sinal.
Fiquei perto de coisas doces esses dias. Descobri outras amargas para compensar.
Sempre achei que as coisas boas e doces da vida estavam esquecidas, tinham sido deixadas para trás. Que nada!
Elas estão incobertas, foram chutadas para debaixo do tapete. Como aquela velha sujeira que tentamos esconder. Volta e meia, uma pessoa doce, volta com as coisas doces e nos faz perceber que não está perdido. Nada, nunca, está perdido.
É preciso ter fé.
Sempre.
Uma fé enorme, grande, em tudo aquilo que você for fazer.
É preciso acreditar. Mergulhar de cabeça, abraçar a loucura.
Ser feliz.
O que faz, o que te fez, o que te fará feliz?
Coisas bobas, boas, doces, bonitas, velhas.
Como uma carta, um gesto, uma flor, um sorriso sincero.
Amor.
Nada mais bonito, nada mais sincero, que ser feliz.

Amor em Movimento

Venha!
Desperte sentimentos ternos.
Eternos.
Floresça.
Desperte-me para a vida.
Deixe-me.
Busque-me.
Vá!
Despedace-me.
Monte-me.
Tome o meu coração.
Recolha-o.
Acolha-o.
Acolha-me.
Ame-me.
Assim, para sempre.
Para sempre ser assim.

Gosto de você

Gosto das suas mãos, dos seus dedos a deslizar no meu rosto, nas minhas costas, no meu corpo. Gosto das nossas mãos entrelaçadas, de nossas mãos dadas.
Gosto do seu sorriso, do encanto que ele me traz, da paz que eu sinto nele, da confiança que eu sinto ao ver você sorrir.
Gosto da sua boca, dos beijos que você me dá, das palavras que você diz, das vezes que você diz “Eu te amo” como se fosse a última coisa que você aprendesse e a única coisa que eu quisesse ouvir.
Gosto do seu corpo. Gosto dos nossos corpos.
Abraçados assim, juntinhos assim. Como se nós fôssemos, por um momento, um só.
Apertadinhos assim, pra sempre ser assim.

Black

Num ápice de loucura difícil essa noite, peguei todas as nossas fotos e espalhei pelo chão do meu quarto. Não sei se eu era fraca ou se eu me sentia mais forte e feliz por ter alguma memória de você perto de mim, mas eu sabia que no fundo eu estava apenas doente. Doente? Sim. De solidão, estava ferida e muito machucada. Não sabia qual era o melhor jeito de abafar, de tapar ou colocar qualquer curativo nesse machucado e acabei por fazer isso. É digno de pena, eu sei. Não me culpe.
Uma taça do nosso vinho predileto e uma música romântica ao fundo. Não sei, não sei. Olhei-me no espelho e deparei-me com o monstro no qual me tornei. Culpa sua? Não, claro que não. A culpa é toda e absolutamente minha. A partir do momento que deixei você entrar na minha vida, saberia que tinha de arcar com as consequências que estavam por vir depois do fim. Acho que esperei demais de um mero mortal como você, acho que estou cobrando demais de uma mera mortal que sou. E eu sou.
Sensível e machucada saio a vagar…

Viver Morrendo

Quando adoeci muitas coisas vieram a minha mente. Não sei se era um filme em preto e branco com um desfecho triste que estava por vir ou se eram apenas memórias aquecidas e frescas dentro do meu coração esperando por um final cada vez mais inusitado.

Lembro-me hoje de todas as pessoas que passaram na minha vida e de todos os ensinamentos e lembranças lindas e tristes que elas deixaram dentro de mim. Não, não peço pra reviver nada, isso é muito fraco. A emoção só é boa quando vivida de primeira, quando vem à segunda já tem gosto de monotonia. É, é verdade meus caros.

Milhares de viagens, alguns amores, muitas desilusões e muitas emoções. Deveria agora, nesse exato momento, está irada e furiosa com Deus e me perguntando “Por que Senhor, eu estou nesse estado? Por quê?”. Ha, isso chega a ser cômico. Não, não estou furiosa com Deus e não tenho milhares de questões a tratar com ele. Só o agradeço. E muito! Só estou seguindo meu plano e eu acredito nisso.

Vida e morte sempre andaram juntas, al…

Post It

"Conhecer você foi uma das melhores coisas que aconteceu na minha vida.
Reconhecer você dentro de mim é o que me completa hoje.
E isso eu posso dizer de alma e peito aberto.
Não sei bem como é.
Quero apenas sentir.
Junção de corpos, fusão de almas.
AMOR!"

Déjà Vu

Por toda a vida carreguei fardos pesados, tentei digerir coisas cruéis e ouvi calada verdades difíceis. Porém hoje, vejo que mais nenhuma verdade me machuca tanto que tenham o poder de me destruir.
Tive milhões, bilhões, trilhões de motivos para desistir, para voltar atrás, descontinuar tudo aquilo que tentava construir em minha vida. Fui forte e com a cabeça erguida consigo ver e sentir que nenhum motivo me corrói tanto quanto aquele que fez você desistir de mim.
Em toda a minha vida tive vontades. Vontade de voar, de conhecer, de liberdade, de ser feliz. Chorei tantas e tantas por ficar apenas na vontade, que hoje a indiferença toma conta de mim: não dói tanto quanto doía antigamente.
Pesquisei, busquei, tentei conhecer pouco a pouco e a fundo as religiões e doutrinas que nelas existem, porém, nenhuma foi capaz de me convencer que o Deus que existe pra mim vive independente de qualquer religião.
Busquei respostas em todos os lugares, em todos os sentimentos, em todos os pensamentos e ne…

Desprezo-te

Como uma Flor de Lótus, você florescia na lama do meu ser.
Enfeitava com a mais bela paisagem o obscuro, irreal e sujo caráter que me cobria.
Tentava me fazer da mais infeliz a mais feliz. E por um momento, juro por tudo, que você conseguiu.
Quando você estava pra conseguir o inacreditável, você rompeu. Cortou as raízes de dentro de mim, arrancou fora todos aqueles sentimentos belos que pareciam desabrochar de vez em mim.
Volta e meia sonho com você me trazendo flores e chocolates, como costumava fazer. Mas eles se transformam no pior pesadelo dentro de mim.
E eu vou seguindo, carregando tudo isso, toda essa amargura que você só ajudou com que crescesse.
Eu pensava que você era diferente, mas acabou por parecer igual aos demais.
Ou pior.

Learn to Fly

Uma Página Qualquer

(Suspiro profundo)
Ela precisava de um tempo sozinha.
Ela era sozinha.
Mas ela queria refletir, pensar, refinar todos aqueles sentimentos confusos dentro dela.
Ela era confusa.
Ao fundo da sua casa tinha um lago, de águas rasas, gélidas e transparentes, na qual a sua imagem refletia-se como um espelho. Parecia ter milhões de almas, milhões de seres dentro dela.
E ela só queria afastá-los.
Sabe o que ela precisa agora?
De pessoas verdadeiras ao lado dela, só isso.
Ser feliz.
Já chega de tanta...
(Suspiro profundo)

Big Bosta Brasil

Vagando pelos sites da vida logo pela manhã, deparo-me com uma notícia: BBB 11 tem 20% a mais de lucro do que última edição, ou algo do tipo assim. Pudera, pois essa edição número 11 do Big Brother Brasil ultrapassa todos os limites de apelação possível. Apelação sentimental e a pior, apelação sexual.
Eu gostaria de saber o quê as pessoas veem nesse programa de tão bom que prende a atenção delas? Sinceramente, não vejo nada. Fofoca, intrigas, baixaria, apelação e falta de conteúdo cultural são os principais elementos do Big Brother Brasil 11.
Não sei o quê e nem pra quê a TV Globo investe em programas de tão baixo nível cultural, sendo que o que alimenta a alma e o espiríto são valores éticos e morais que devem ser passados a cada dia como uma lição e tais estão sendo vergonhosamente deixados de lado para que o apelo sexual domine. Não sei se cabe perfeitamente aqui, mas vale dizer aquelas palavras velhas e de bom uso: "É por isso que o País não vai pra frente."
Temos tantas pe…

Uma Necessária Auto-Defesa

Não sei, não sei. Mas creio que metade de mim é só racor. Não sou uma pessoa que esquece fácil, ou melhor, quase nunca esqueço, porém vou levando. Levantei pedras e arrastei milhões de barreiras para o lado para tentar, ao menos, ser feliz. E estou conseguindo.
Dessa metade não tenho muito orgulho, mas como todo e qualquer ser humano falho, tenho duas caras. A maioria das pessoas que se aproximam de mim conhecem um lado rude, grosseiro, seco e muitas vezes fechado que não se abre pra qualquer um. Ai de você se tentar. Nunca tive e não sei como é essa necessidade absurda de querer agradar pessoas alheias. Ora, se querem minha admiração, elas que me agradem, certo?!
Qualquer tipo de intimidade que pessoas falsas ou hipócritas tentem comigo, eu já as corto. Fico espinhosa, não sei explicar. É um tipo de auto-defesa, sabe, um certo modo para que essas pessoas não invadam esse espaço que chamo de privacidade. Como uma planta venenosa, bonita por fora e perigosa por dentro.
Por outro lado, exi…

(Des)Encontro com Flor

Passou-se aquela semana, e depois daquela noite de um belo luar, o tempo fechou. Não tinha mais alegria de dia, não tinha mais alegria a noite. Flor roubou a luz do luar, do sol e das estrelas. Roubou minha alegria, sua alegria e sumiu por esse mundão de Deus.
Queria poder encontrá-la, recuperá-la e acolher toda a sua dor. Isso é, se ela sofre neste momento.
Andei por aquelas ruas, becos e avenidas e por um (des)encontro do destino, lá estava minha bela Flor, enfeitando com sua beleza fétidos becos imundos que tinham uma malícia sexual rodando. Queria poder ver seu sorriso, só mais uma vez e poder saber que ela está feliz. Ela não estava.
Flor não era mais a mesma. A mesma escuridão que rondava as noites cariocas naqueles dias, dominava a alma colorida e alegre de Flor. Um peito pesado de angústia e sofrimento, um olhar desiludido e um sorriso malicioso naquela boca vermelha completavam as cenas de horror daquele cenário desconhecido nos sonhos de Flor.
É, não podia fazer mais nada, não q…

As Descobertas de Flor

Anoitecera na Cidade Maravilhosa, a Lua como se fosse o par perfeito Pão de Açúcar faziam a paisagem perfeita para aquela linda noite da noite Carioca. Os ventos balançavam o cabelo da linda Flor, que seguia mais do que firme e mais do que forte no seu louco e entusiasmado objetivo.
Caminhava na calçada de Copacabana como se fosse uma passarela ao luar, iluminada pela luz das estrelas que brilhavam como se fossem os olhos dos homens que a observavam. Caminhou, maravilhada por todo aquele calçadão, quando de repente ouviu um psiu misterioso e com um ar de malícia, que a ingênua Flor não percebeu e parou. Logo o malandro puxou uma conversa:

- De onde vens, pra onde vai, bonita moça?
- Não tenho destino, meu caminho é qualquer um.
- Tens, pelo menos, onde passar a noite?
- Passarei a observar essa lua bonita toda.
- Deixei-me, ao menos, lhe servir uma cama quente para descansar.
- (...)

E Flor foi-se! Mal sabia o que lhe esperava.
Se eu pudesse gritar alguma coisa pra Flor, neste momento, diria: …

O Objetivo de Flor

Ao acordar naquela manhã tão bela, Flor olhou-se no espelho e espiou por dentro de sua casa pra ver se não tinha ninguém por ali. Seus pais já tinham ido trabalhar na roça, e Flor decidiu então cumprir o seu objetivo.
Ao deitar-se, naquela noite, Flor havia jurado pra si mesma que não passaria mais um dia sequer naquela vidinha pequena e restrita da cidadezinha e jurou que iria cumprir seu objetivo e realizar todos os seus sonhos. E ela se foi. Arrumou todas as coisas numa pequena mala, deixou um recado pra seus pais e saiu. Com alguns trocados na bolsa, Flor pegou um ônibus pro Rio de Janeiro e foi encontrar-se com o mar, foi atrás de realizar seus sonhos.
Ao chegar ao Rio, desce maravilhada do ônibus, finalmente atravessou, desbravou e descobriu o que tinha atrás daquela montanha grande que enfeitava seu quintal. Foi caminhando, caminhando, com um gingando doce e suave, encantando aos velhos cariocas malandros que não resistiam a um balançar tão leve como aquele. Mexiam, assoviavam, a…

A Invejável Flor

Bonita, dengosa, com um gingado pra-lá-de-espetacular. Eram todos os elogios e adjetivos aplicados àquela linda Flor. Linda mesmo, de dá inveja a qualquer mulher invejável ou invejosa da cidade, e eram tantas e muitas. Bonitas e feias, velhas e novas, todas com inveja da invejável Flor.
Não era de se espantar tanta beleza. Menina bonita do sorriso cativante e olhos grandes e ingênuos, corpo malicioso e mente curiosa. Menina de muitas, milhares, enormes fantasias e tantos sonhos. Com o seu passar pra lá e pra cá e seu cabelo ao vento, ninguém suspeitava das inúmeras coisas e lugares que Flor sonhava conhecer.
Cresceu em uma cidade pequenina como a palma da sua mão, que restringia todos os seus sonhos. Da janela do seu quarto, Flor sonhava com o que haveria de ter além da montanha que, como um quadro, enfeitava o fundo do seu quintal. Deitada e sonhando, Flor imaginava-se naqueles lugares bonitos de novela, como a Praia de Ipanema, e que Vinícius me perdoe, mas ela poderia ser a próxima G…

Sem título, sem palavras.

Como definir a sensação? Sei lá, sei lá.
Dizia Toquinho, a vida tem sempre razão.
Destino, vida, paciência!
Ah! muita paciência nessa vida.
Esperar, esperar, esperar.
Bons frutos iremos de colher.
E o meu, pelo menos um da minha árvore de muitos, eu já colhi.
Esperança. Palavra forte de significado rico, pronúncia fácil e crença difícil. Último que morre, muitos dizem. Porém, no coração de muitos por aí, ela já apagou-se.
Não desistas, flor.
O que é seu está guardado, e com certeza irá brotar.
Possa ser que não hoje, mas o amanhã virá.
"Quem acredita, sempre alcança."
(Renato Russo)

Um momento insano...

Não sei como começar esse texto. Vou deixar as palavras fluírem como num rio e tomarem a direção que elas desejarem.
Não sei se posso dizer que o Mundo hoje me agrada pois, por muitas vezes, senti um cansaço tão grande e um peso enorme nas minhas costas. Não me agrada em nada a falsidade estampada nos rostos alheios, junto com a inveja e a mentira.
Por muitas e muitas vezes me senti cansada de ter que fingir e fugir. Mas continuo a fingir e a fugir. Esse texto é um fingimento puro e uma fuga da realidade.
Não sei porquê o escrevo. Mas ele merece ser escrito.
Todas as palavras do Mundo devem ser escritas, ditas, gritadas, engasgadas.
Principalmente engasgadas.
Isso é pura nostalgia.
Basta!

Como definir 2010?

Estranho começar um texto com uma pergunta tão difícil de achar a resposta, pois apenas uma resposta não seria o suficiente para descrever o ano que passou.
Assim como todo ano, 2010 fez com que eu analisasse e percebesse o mundo ao meu redor. Porém, com uma olhar mais promissor, mais futurista, uma visão além das minhas percepções.
Conhecimento!
Conheci um pouco de cada lado da vida, de cada lado do ser humano. Poderia até dizer que foi um ano que desbravei muitas coisas, coisas além da minha imaginação. Coisas que eu jamais poderia crê.
Crença!
Em mim mesma, na reciprocidade, na justiça de Deus.
Sim, pude ver que ela jamais falha e que, por mais que as pessoas tentem nos prejudicar, ao final ela será a maior prejudicada. Hipocrisia rondou meu círculo social, e com a hipocrisia pude ver que podemos derrubar e matar leões. Afinal, círculo social é isso.
Novidades!
Novas amizades, novo ar, novo pensamento, novo amor, novo eu. Aspirei, busquei, encontrei coisas novas, além de mim. Pude perceber…