Pular para o conteúdo principal

Dever Cumprido

Foram 4 anos. Como defini-los?
Histórias, risos, brincadeiras, amizades, "panelinhas", companheirismo e, acima de tudo, superações.
Como adolescentes suportam rotina? Não sei como explicar.
Foi um treino, um treino para a vida que nos espera lá fora. Podemos dizer que amadurecemos com a convivência e aprendemos a suportar, acima de tudo, todas as diferenças existentes nessa rotina pesada de 4 anos.
Foi mais que uma luta, foi uma vitória. Vitória escrita com um "V" bem maiúsculo, bem grande e sonoro, que nos enche o peito de orgulho e nos faz dizer que somos vitoriosos por cada obstáculo vencido e por cada degrau subido.
Foi mais uma honra, foi um prazer. Prazer de ter a companhia de pessoas que aprenderam juntas o verdadeiro valor do caráter, da aceitação e da superação. De princípio, éramos todos estranhos, mas com o tempo e com a convivência, aprendemos a suportar todos os defeitos e a nos agradar com cada qualidade típica de qualquer ser humano.
Hoje nossos peitos carregam a leveza e uma sensação mais-que-agradável de dever cumprido, de lição aprendida e rotina suportada.
Hoje, possuímos doces lembranças que guardamos com uma ternura imensa. E temos certeza que o reencontro será breve.

Obrigada por tudo, Colegas de Fundamental ao Ensino Médio, amigos de coração e curso. Vocês fizeram e fazem parte de uma grande parte de minha vida!
Aprendi muito com vocês todos. E temos de nos orgulhar de mais uma etapa vencida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

sem rumo

Passado o tempo Es pa ço Apressa o passo Rumo Ao Sem rumo. Não há volta, Nem caminhos Tra ça dos Os laços Desfaço Os nós E sigo... Sem rumo Ao
Meu mundo.

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.