Pular para o conteúdo principal

Solução?

Sempre dizer que a morte não é tão ruim. É um tipo de sono profundo, uma folga que você tira desse mundo insano e dessas loucuras rotineiras de nossas vidas.
Um tipo de descanso. De olhos fechados e coração lavado, você se entrega nessa viagem dolorosa e satisfatória, que não deseja voltar. E não volta.
A Morte não é o fim, é o recomeço.
A Morte não é o problema, é a solução. Pra tudo!
A Morte não é difícil, é fácil.
Ter de conviver com a falta que é difícil, que é o problema, que é o fim. Mas, sempre tem o recomeço, a solução e a dificuldade de fazer tudo isso, sem você. O que torna o grau de dificuldade ainda maior.
O que seria a saudade? Não consigo achar palavras para descrevê-la, não consigo achar modos de satisfazê-la.
Agarro-me com muitas lembranças, risadas e as lágrimas aparecem no meu rosto.
O que fazer agora?
Continuar, lembrar, seguir...

Comentários

  1. Ahhhhhhhhhhhhhh... Usou o meu pensamento pra postar no blog... Que coisa! Que PLAGIOOOOOOOOOO!!!

    Hahahahahahahahahha...

    Te amo muito amor!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Abrace você também...

Postagens mais visitadas deste blog

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.