Pular para o conteúdo principal

Oxente! Desde quando você é melhor que eu?


Bem, vou deixar a terceira pessoa de lado e vou ser mais objetiva, franca e árdua no que vou dizer agora.

Algo essa semana me deixou irritadíssima. Uma menina de São Paulo disse que "Nordestino não é gente" e que "Isso é o que acontece quando se dar direito de voto a Nordestino", e que ela iria trabalhar para que fosse tirado todo mês de seu salário 100 reais para as pessoas burras, vagabundas e que precisam desse miséro dinheiro pra sobreviver. E tudo isso se referindo à maioria de votos que a candidata Dilma Rousseff, do PT, recebeu na Região Nordeste.

Nordestino é menos gente que ela só porquê mora em um lugar que é quente e tem índices de seca? Só porquê a má distribuição de renda, e a política corrupta (que existe no Brasil inteiro) afeta de um modo descarado esta região? Foi algo triste e que doeu bastante.

O que mais me espanta é uma pessoa que cursa Direito, conhece todas as leis e todas as formas de preconceitos e posta uma coisa dessas em uma página na internet, que hoje em dia é nua e crua. Avisem pra ela que Xenofobia é crime, preconceito dá cadeia e ela pode ir presa e pagar uma multa. Mas, acho que ela já sabe disso.

Dono de uma repercussão enorme, virou um caso de processo. A OAB de Pernambuco está se mobilizando para processar a dona desse comentário maldoso, e mais, perdeu o seu emprego ou estágio, não sei, em São Paulo. Pois é, Mayara. E os Nordestinos estão lá sobrevivendo, mesmo sem você trabalhar, mesmo sem você receber salário pra ser sugado 100 reais por mês.

Sinto lhe dizer, mas você é uma pessoa mesquinha, de alma e cabeça pequenas. Talvez seja porquê você não conheça o mundo, não saiba como ele é, não saiba o que é trabalhar pra conseguir manter família, estudos, filhos. Talvez porquê sua visão foi tapada com uma venda e barras laterais e você não consiga enxergar o mundo de outra forma. Você, apesar de se dizer inteligente, você foi mais burra do que aquelas pessoas que você julga não ser gente. Não que eles sejam burros ou inferiores a você, mas nos seus dizeres e nos seus pensamentos mesquinhos eles eram, e você acabou se igualando a eles, Mayara Petruso.

Ninguém deve desejar o mal a ninguém, mas você só está colhendo os frutos que você plantou. Não se sinta superior, Mayara. A vida e o mundo são tão grandes, e sua visão e cabeça tão pequenos, que são dignos de pena. Você nunca foi e nunca será melhor que ninguém, nunca será melhor do que aquele povo sem instrução, sem educação e que não merece ser chamado de "gente".

A vida é isso, Mayara.

Parabéns pelo seu comentário e pelos frutos que você está colhendo hoje e que irá colher no futuro.

Sou Paraíbana, Nordestina e moro no Rio de Janeiro há sete anos. Fui bem recebida na cidade de braços abertos, e tenho orgulho e estufo o peito pra dizer: "Sou PARAÍBA sim, e daí?" Pois, isso NUNCA me fez ou me fará indiferente ou melhor que ninguém nesta vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

sem rumo

Passado o tempo Es pa ço Apressa o passo Rumo Ao Sem rumo. Não há volta, Nem caminhos Tra ça dos Os laços Desfaço Os nós E sigo... Sem rumo Ao
Meu mundo.

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.