Pular para o conteúdo principal

Uma tal conexão


Sempre quis ter uma conexão especial com o mundo. E uma conexão meio que discreta, meio disfarçada. Queria criar um segredo entre eu e terceiros, fora de um mundo completamente do meu.

Formas e forças de expressão todos têm. Alguns são bons no canto, outros na dança e outros optam por escrever. Creio que escrever é mais que uma arte, é um dom. É uma forma e uma força de expressão paradoxa. Complicada e simples, ao mesmo tempo.

Não era boa por meio das palavras e acabei me descobrindo na escrita. Sou feliz por isso.

Escrever, demonstrar por meio de uma terceira pessoa, deixar subentendido.

Ah, é instigante, é diferente. E instiga por ser diferente.

Clarice Lispector sempre dizia em seus textos que escrevia pra se descobrir, pra salvar sua vida, que queria uma liberdade que fugia das coisas já vistas, e ela encontrou na escrita. E incentivou muitas outras pessoas a encontrarem.

Queria criar um segredo diferente, queria criar laços mesmo sem ter conhecido, queria criar semelhanças com outras pessoas. E será que criei?

Estou me descobrindo cada dia mais, estou me revelando cada dia mais.

E me perdendo para me encontrar. Isso é fundamental. Sempre!

Comentários

  1. nunca gostei tanto de um post simples assim (:
    - amei mesmo , continue assim que eu adorei o blog

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Abrace você também...

Postagens mais visitadas deste blog

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.