Pular para o conteúdo principal

Resta Apenas...


Final do ano se aproxima, e normalmente você recorda muitas coisas de seu cotidiano.

Este ano não foi dos piores, mas também não foi dos melhores. Em suas particularidades enormes e características distintas, o ano se passa, como uma velha chuva de verão. Repentina, passageira e extremamente forte. Marcante, podemos dizer assim.

E você tenta se agarrar aos pequenos detalhes, e você tenta resgatar aquelas coisas que, embora tenham sido desnecessárias ou que te magoaram, você quer relembrar pra saber que aprendeu.

É complicado, embora seja uma sensação gostosa.

É complicado porque você sabe que muitas pessoas nas quais você está acostumada, está indo pra longe de você. E prometem, juram não perder o contanto.

Mas, com o passar do tempo restam apenas lembranças.

Lembranças e dois ou três amigos mesmo pra relembrar junto com você, como foi bom todos aqueles anos, como foi dura a aprendizagem e o caminho que ambos seguiram.

E você chora, e você sorri, e você sabe que vale a pena separar, que é gostoso sentir saudade.

Marca um outro encontro ou deixa por conta do destino, no qual é bem mais gostoso.

Não queriamos pensar nestas coisas, porém fica inevitável. Dói, é uma sensação boa e fica inevitável não senti-la.

Agarrar-se aos últimos momentos é tudo o que nos resta, ao final de tudo. E saber perdoar também.

Sair, ser livre, trilhar seu caminho, sem mágoas daquele ano que passou.

Comentários

  1. Amigaaa!! é verdade!!
    O nosso ano está acabando e dai todas vamos nos separar... Espero não perder contato... mas vc sabe como é a vida né?? A gnt nunca sabe o q pode acontecer... E mesmo assim, vc sabe que nunca será esquecida!! Te adoro muitoo!!
    Bjs

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Abrace você também...

Postagens mais visitadas deste blog

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.