Pular para o conteúdo principal

Cadê?

Ultimamente ando tão cansada de tudo e de todos. Do mundo, dos meus amigos, da escola, e muitas vezes até de mim. O Mundo já não apresenta uma pequena graça se quer, a única coisa que ele anda apresentando são desgraças.
Olho pr'um lado vejo inveja, mentira, falsidade. Olho pro outro vejo vidas sendo jogadas fora por coisas tão pequenas, que chega a me dá pena. E sempre soube que pena é o sentimento mais medíocre que uma pessoa possa ter pela outra.
Não cobro, não exijo e nem ando pedindo muito do Mundo.
Acho que o que ele teve para nos oferecer, ele pôde e ofereceu, mas pegamos demais. E agora, ele está querendo tudo de volta, mesmo que seja à força.
Não está apresentando sentindo nenhum meu texto. Mas, o que faz sentindo hoje em dia pra você?
Pra mim, nada mais tem sentido.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

sem rumo

Passado o tempo Es pa ço Apressa o passo Rumo Ao Sem rumo. Não há volta, Nem caminhos Tra ça dos Os laços Desfaço Os nós E sigo... Sem rumo Ao
Meu mundo.

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.