Pular para o conteúdo principal

Viver a Vida

Estava eu sentada, vendo aquela novela global "Viver a Vida", quando me passou o José Mayer, e pensei: "Nossa, como o cara chega aos 50 e continua o garanhão da novela?". Grande sacanagem, devem imaginar aqueles que não têm mais vida sexual ativa e lamentam ter de ver o Zé Mayer em rede nacional fazendo filho no elenco inteiro da novela. Bem clichê, também. Mas, tudo bem. Por mim, quero mais que erradiquem os homens do tipo "Zé Mayer" do mundo, assim as mulheres viveriam mais tranquilas.
De repente, me passa Búzios, e lembro de Arraial do Cabo. Nossa que saudade daquele vento marítimo no rosto, nem sentia o calor lá. Em compensação aqui, nossa, três banhos por dia é pouco. Já tinha até me esquecido como era viver aqui. Rs. Por mim, moraria em Arraial do Cabo, mas os mosquitos teriam de ir embora, ou eu ou eles. Se tem uma coisa que aprendi é não dividir o meu espaço com mosquitos.
Aí me passa aquela tal de Renatinha, que garota sortuda! Antes era aquele gêmeo palhacinho que era noivo dela, que a traiu com a Luciana, que também era noiva do outro irmão, e a Renatinha traiu ele com o gato loiro lá, que eu não sei o nome. Nossa, quantas traições num parágrafo só. Cheguei até a perder as contas. E penso, não já basta o Zé Mayer varrendo o elenco inteiro? Vou parar com isso, está parecendo até perseguição ao pobre. Rs.
Então, seria essa a idéia de "Viver a vida?", traindo as pessoas, tendo filho do Zé Mayer, pegando os irmãos?
Se for assim.. Deus me livre!

Comentários

Postar um comentário

Abrace você também...

Postagens mais visitadas deste blog

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…