Pular para o conteúdo principal

Nunca irei entender.

Eu nunca irei entender porquê a gente quer tanto insistir em algo que não vale a pena, nunca.
Eu poderia até te largar de mão, tenho mil motivos pra isso. Mas, algo aqui dentro me puxa, me pega, me agarra e não me deixa sair, não deixa você sair. Algo mais forte que eu, mais forte até que meu orgulho que eu jurava ser enorme.

Ao longo dos meus relacionamentos construi barreiras, muros, deixei que crescessem espinhos, ervas daninhas contra sentimentos, não deixava ninguém entrar. E quando tentavam, era uma tentativa frustrada porque eu destruia qualquer início de sentimento, de apego, de afeto. Eu não queria, não podia enxergar nada além de mim, além do amor que sinto por mim. Egoísmo? Talvez, mas acho que não. Prefiro acreditar que eu estava cansada de me iludir e sofrer, isso é realmente triste.

Muitas vezes me perguntam, eu me pergunto até porque eu tenho tanto medo de me entregar novamente, de viver aquele carnaval amoroso, porque não tem mais coração e sim um cubo de gelo. Sinceramente, não sei. Acho que depois que você toma porradas da vida você aprende a se amar, a se dá valor. Não consigo, não sei e não quero ser mais uma daquelas mulheres que correm atrás de homem e dão moral até demais pra eles. Não mesmo!

Sinceramente, não sei mais o que pensar. Ando numa rede de contradições, confusões sentimentais que não gosto nem de pensar nisso. Firo com facilidade, sou agressiva demais pra ter alguém com afeto perto de mim. Preciso de alguém forte, alguém corajoso e disposto a acabar com essa frieza que está começando a crescer dentro de mim. Meus muros estão frágeis, apenas cimento e tijolos, quando fizerem laje e tudo mais será mais difícil de serem quebrados. Meus espinhos volta e meia esquecem de aparecer, as ervas daninhas morrem quando sinto que meu coração está aquecido demais.

Não precisa se apegar demais, não precisa ocupar todo o meu espaço, não quero e pode ter certeza que não vou deixar você tomar conta da minha vida. Quero apenas um ombro pra ouvir as lágrimas de tristeza e dor, um riso amigo, um abraço confortável, um beijo que me leve a pensar mil loucuras de uma vez só. Não precisa me dá satisfações 24 horas por dia, não precisa pegar no meu pé. Precisa sim apenas me olhar nos olhos por alguns segundos, aqueles segundos suficientes para que eu sinta que o nosso sentimento é recíproco. Não precisa ser amor, porque amor nessa idade é difícil. Precisa apenas ser afeto com aquele tonzinho de necessidade.

Mas, sinceramente eu nunca irei entender porquê a minha frieza insiste em ter um pouco de fogo e porque estou deixando você crescer dentro de mim. Nunca!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…