Pular para o conteúdo principal

Nada Como Um Dia Após o Outro.

Hoje eu me acordei diferente. Mesmo que triste por fora, feliz por dentro. Calada, centrada. Pensando mais em mim, não mais em você. Pensando em me fazer feliz, em me amar. Talvez tenha te deixado de lado, talvez tenha esquecido de você e lembrado mais de mim. É, hoje eu acordei assim. Acordei com vontade de me libertar daquilo que me sufocou durante um mês. Você me sufocou.
Talvez porque me jogaram um balde de água fria e eu resolvi acordar daquilo que eu acreditava ser um sonho que eu não tinha fazia um tempo. Talvez porque me envolvi demais na sua história, e acabei esquecendo da minha. Mas aí, eu lembrei e percebi que você não tinha se libertado da sua história. Então, nem valia mesmo a pena continuar insistindo naquilo.
Você era encrenca, eu era encrenca. E nós, nós nos encrencamos e empacamos. E você viu que não ia dá em nada, porque talvez eu fosse um nada pra você. E por um bom tempo, talvez uns dias eu achei que eu fosse um nada realmente.
Mas, aí chegou o hoje, o dia de hoje. E eu, eu percebi que eu sou tudo, que eu sou foda, que eu posso quando eu quero, que eu consigo quando eu desejo. E eu percebi também que não preciso de uma segunda pessoa comigo, do meu lado pra fazer eu me sentir mulher, me sentir especial ou talvez me sentir amada. Sabe por que eu percebi tudo isso? Porque eu tenho tudo que quero, a hora que quero e como eu quero, aqui comigo, dentro de mim, no meu ser, no meu coração e na minha mente. Então, não preciso de você pra fazer eu me sentir especial, Ok?!
Mas, outra encrenca chegou, talvez duas ou três...

Comentários

  1. Contudo, é a menina que um dia conheci.

    ResponderExcluir
  2. "Talvez porque me jogaram um balde de água fria e eu resolvi acordar daquilo que eu acreditava ser um sonho que eu não tinha fazia um tempo." - às vezes, é realmente necessário um banho desses.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Abrace você também...

Postagens mais visitadas deste blog

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.