Pular para o conteúdo principal

O Bicho Humano

Ultimamente ando meio fechada para relacionamentos, de todos os tipos, amorosos, amizades.
Se tenho um certo grupo, me mantenho com eles até o fim, porque sinto que não posso sair confiando em todo mundo.

Mas, sempre tem alguém que lhe chama a atenção, que parece que vai lhe resgatar de todo esse mal que lhe aflinge faz um bom tempo, que se aproxima do nada e faz você sentir algo que tinha esquecido. Alguém que por mais que você queira manter longe de sua intimidade, ela acaba invadindo sem nenhuma permissão aquilo que você preservava a 14 chaves. E lhe mostra como é grandioso um simples toque, um bom dia, ficar de mãos dadas.

Mas, de repente, você se fecha novamente. Sente vontade de fugir, de correr, sente que não está certo ou alguém lhe mostra que não está certo, que não era nada daquilo que você pensava ou sentia. De alguma forma, você ainda quer manter aquela pessoa na sua intimidade, nas suas conversas. Talvez seja a simplicidade do olhar, o jeito de abraçar, não sei dizer bem. Te quero perto, mas não se aproxime muito.

Talvez não esteja pronto pra amar novamente, talvez não queira amar novamente. Não sente, não vê ou não quer ver aquela mágica perfeita e inexplicável do amor. O ser humano é meio contraditório, por mais que não queira agir com a emoção, deixa sempre ela invadir. Talvez queira senti-la novamente mesmo que por 5 segundinhos somente pra não esquecer como é o tal fogo do desejo. Porém, depois se fecha, se gela, se guarda, se encolhe no seu canto como um bicho. Talvez porquê já foi ferido e maltratado demais, talvez por não receber o devido valor que merece.

Comentários

  1. Kamiilla, concordo com muitas coisas que você disse..
    A gente se fecha e quando se vê se abre um pouquinho.. e depois já está fechada de novo, mas sente falta dessa abertura..
    Ai ai muito complicado isso tuudo, mas na hora certa a gente vai se abrir de verdade e pra pessoa certa.. :)

    Qualquer coisa, estou aqui menina!
    Beijinhoos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Abrace você também...

Postagens mais visitadas deste blog

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…