Pular para o conteúdo principal

Anymore Than This.

Ultimamente eu tenho meio que convivido numa cama de gato, quando eu penso que as coisas vão de verdade, parece que algo as puxa para trás e isso é tão ruim. Tipo, faz um tempo que tento postar no blog e sempre que estou aqui a mil por hora, algo acontece. Ou sou vencida pelo sono, ou desligo o botão do computador com o pé. (Maravilha!)
Mas, quero falar de outra coisa. Outra coisa que realmente importa. Você gosta de quem?
Quantas vezes em nossa vida fomos questionados por essa pergunta, sem ter verdadeiramente o sentimento nela. Meu Deus, por que as pessoas cismam em confundir amar com gostar? Tristeza!
Se submetem a tantas coisas por conta de um abalozinho sentimental que não durará muito tempo, durará até você mudar seu grupo social e só. Deveríamos ser mais consciente quanto a isso, principalmente a juventude de hoje. O lema deles hoje em dia é: Te conheço hoje, te amo desde ontem. Que merda hein.
Na verdade as pessoas deveriam amar mais a si mesmas, prezar pelo amor próprio. Hoje em dia muita gente esqueceu que isso ainda existe.
Quando vemos casais realmente apaixonados hoje em dia percebemos que eles não são a regra e sim a exceção de modo geral. O que quero dizer é que ninguém mais hoje em dia se entrega completamente ao amor, e fico muito feliz de ver que ainda existe pessoas que se entregam a ele de corpo, alma e coração.
Enfim, o que vale é você se amar de verdade, porque no final das contas é o seu orgulho que fica, que resta depois de tudo.

Comentários

  1. Milla não sabia que você escrevia cronicas tão boas!
    Nossa se tivesse me dito teria pedido uma forcinha para minha prova de redação hausha
    Você é foda²

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Abrace você também...

Postagens mais visitadas deste blog

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.