Pular para o conteúdo principal

I've got right to be wrong.

É, eu tenho mesmo o direito de estar errada. Mas, até que me provem o contrário acharei todos os homens do mundo iguais. Por que? Porque eles também tem a mesma visão de nós, mulheres. Ao mesmo tempo que eles acham que todas somos cachorras, nós achamos que eles são cachorros.
Mas, por que tantos conceitos chulos das pessoas das quais "necessitamos" para viver? Porque é hoje em dia que essas pessoas se mostram para nós, hoje em dia ninguém pensa mais em princípios, amor -próprio. Deixe que digam, que pensem, que falem. Mas, a partir do momento que você deixa que todos falem mal de você, acaba se tornando mal falada, obviamente. E não há quem mude o conceito de uma pessoa quando ele já está formado.
Semana passada levei um Artigo de Opinião para a minha aula de Portugês, e falava da Falta de noção masculina. Nossa, não imaginam a confusão que foi. Foi, literalmente, a guerra dos sexos. Machismo x Feminismo, um querendo ser mais superior que o outro. Porém, eu esbravejei para a turma toda que existia muita mulher otária no mundo que ainda acreditava no conto de fadas, e deixava o maridão se encostar totalmente nela.
Queridas amigas, acordem! Os contos de fadas são muito piegas, antigos demais. Apoio firmemente a liberdade de escolha da mulher, tanto profissional, quanto em relacionamentos, como também apoio a do homem.
O importante queridas é não fazer o que muitas hoje em dia fazem, confundem liberdade com promiscuidade e acabam se tornando aquilo que citei no começo do texto, a cachorrice. (Não sei nem se essa palavra existe)
Enfim, qual cachorra vive sem um cachorro ao seu lado, e vice-versa?

Comentários

  1. Puxa, eu não me acho um cachorro, nem que as mulheres são todas cachorras. Por isso eu sou um gato? Uauahauha (isso foi brincadeira). :P

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Abrace você também...

Postagens mais visitadas deste blog

Rubi

Se preparava para sair. Era mais uma noite. Mais uma de tantas, mais uma de muitas. Gal Costa em um volume agradável, dizia: “Sou dessas mulheres que só dizem sim”. E talvez ela fosse dessas mulheres que só dizem sim. Um preparo, uma taça de vinho, aquela noite era dela. Apesar de ser uma pessoa diurna, sentia que algumas noites reservavam coisas especiais destinadas para ela. E ela seguia... Ritual de sempre: cabelo, roupa, maquiagem. E o velho companheiro lá, espreitando tudo e esperando para o gran finale. Sabia que sua hora chegaria, sabia que sua hora preciosa de estar naquelas mãos pequenas chegaria e ele aguardava suavemente. Joga o cabelo para cá, amassa de lá. Volume importa! Roupa 1, não Roupa 2, nem pensar Roupa 3, ok. Talvez. Não sabe. Deixa em aberto essa questão. Parte para a maquiagem. Processo chato, processo demorado. Gostava da própria pele, gostava do jeito que a sua pele tinha histórias para contar. Cada sorriso, cada olhar de surpresa, de susto, de alegria, cada ‘cada’ de se…

depois

Das coisas que não devem ficar para depois:
silêncios;
abraços;
palavras;
soluços;
sorrisos;
amor,
amor,
amor.

Eternidade é momento.